Programa Aqui todo mundo Joga

O programa inclui diversos projetos, como o Futebol das Nações, o Futebol3 no Ensino Fundamental, os Estádios de Futebol3, o Tribunal dos Megaeventos Esportivos no Brasil e o Dia do Voluntariado. Eles têm diferentes públicos-alvo, mas com a mesma essência: o direito à prática esportiva segura e inclusiva para empoderar e transformar a vida das pessoas.

Futebol das Nações

O Maracanã foi palco para a fase piloto do projeto, implementada no segundo semestre de 2015 com o objetivo de contribuir com a inserção de refugiadas e de refugiados que vivem no Rio de Janeiro (RJ) à sociedade local. A tecnologia social conhecida como futebol3 – que divide o jogo em três tempos, com vários espaços para o diálogo – foi utilizada para que, durante a realização do próprio jogo, diversos temas fossem abordados, como:

  • língua portuguesa
  • diferenças culturais
  • mundo do trabalho
  • questões de gênero

As atividades aconteceram semanalmente e culminaram com um festival realizado no estádio. Mais de 15 funcionários e voluntários da Cáritas participaram das atividades, que beneficiaram 119 refugiadas e refugiados. O projeto, realizado em parceria com a Cáritas-RJ, com o apoio financeiro do Maracanã e institucional da ONU Mulheres e do Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados), teve grande repercussão, com mais de 35 inserções nas mídias nacional e internacional. A segunda fase irá começar em 2016.

FuteboL3 No ensino fundamental

Capacitamos seis profissionais de Educação Física de quatro escolas municipais do Rio de Janeiro (EM Friedenreich, EM Gal Humberto de Souza Mello, EM Madrid e EM Equador) para a utilização da tecnologia social futebol3 com 120 estudantes dos 5º e 6º anos. O projeto, fruto de uma parceria com a Secretaria Municipal de Educação e com o apoio do Maracanã, foi implementado durante o ano de 2015, com sessões de futebol3 conduzidas durante as aulas de Educação Física. O projeto ainda promoveu a interação entre as quatro escolas, em dois festivais realizados no estádio.

Estádios Futebol3

Lançamos, em 2014, um edital que possibilitou a distribuição de 16 mini-quadras móveis e a transferência da tecnologia social “Bolação”, criada pelo Instituto Formação, de São Luís (MA), para 12 membros da Comunidade de Aprendizagem de Futebol para o Desenvolvimento. O projeto foi patrocinado pela Sony e contou com a presença do jogador Raí na divulgação das ONGs selecionadas no edital. Mais de 2.750 serão beneficiadas e beneficiados diretamente pelo projeto em um período de dois anos.

TRIBUNAL DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS NO BRASIL

Reunimos 250 adolescentes e jovens no Rio de Janeiro (RJ), Porto Alegre (RS), Manaus (AM), Fortaleza (CE) e Brasília (DF), entre setembro de 2013 e maio de 2014, para simular um tribunal de verdade, com jovens cumprindo o papel de advogados de defesa, acusação e júri. Após as argumentações dos dois lados, um grupo se reunia para dar o veredito final. A intenção não era apontar culpados e inocentes, mas sim encaminhar uma carta de intenção para o poder público e estreitar o diálogo entre os jovens e os governantes. O projeto foi implementado em parceria com a Rejupe (Rede de Adolescentes e Jovens pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo), o Unicef e a Bem TV.

DIA DO VOLUNTÁRIO

Organizamos, em agosto de 2015, em São Paulo (SP), o Dia do Voluntariado com 28  funcionárias e funcionários da Avon. A temática de gênero foi utilizada como plataforma das atividades, que contou também com a participação de 62 adolescentes das ONGs Gol de Letra e Fundação Eprocad. Durante o dia, realizamos dinâmicas, atividades de futebol3 e rodas de conversa sobre equidade de gênero, com a presença da goleira Thaís Picarte.

Articulação de redes está em nosso DNA

Nossa principal atuação em rede no Brasil se dá por meio da Comunidade de Aprendizagem de Futebol para o Desenvolvimento, composta por 30 ONGs. Articulamos também a rede streetfootballworld no Brasil, composta por cinco organizações (ACM-RS, Urece-RJ, Fundação Eprocad-SP, Instituto Formação-MA e Instituto Fazer Acontecer-BA). Desenvolvemos projetos variados para fortalecer e ampliar o impacto em rede. Além disso, o programa inclui projetos como o Futebol para o Desenvolvimento, Fundo Solidário, Fórum Global de Jovens Líderes e o Festival Latino-Americano de Futebol3.

Projeto Futebol para o Desenvolvimento

Implementado entre 2012 e 2014, foi composto por uma série de iniciativas com o objetivo de fortalecer as organizações brasileiras que trabalham com o desenvolvimento social por meio do futebol e aumentar a visibilidade do setor no Brasil. Entre as iniciativas do projeto estão a Comunidade de Aprendizagem de Futebol para o Desenvolvimento e o fortalecimento do protagonismo juvenil, todos descritos neste relatório. O projeto foi financiado pelo Ministério Federal de Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha por meio da Agência de Cooperação Alemã (GIZ) e apoio da Agência Brasileira de Cooperação (ABC). A segunda fase teve início em 2015, com previsão de encerramento em outubro de 2016.

“Eu conheci pessoalmente a Comunidade de Aprendizagem de Futebol para o Desenvolvimento e afirmo que eles são bastante compromissados e, de fato, influenciam na transformação social por meio do futebol.”

João Batista Freire | professor de Educação Física e referência nacional em esporte educativo

Comunidade de Aprendizagem de Futebol para o Desenvolvimento (CdA)

Criada por nós em 2012, é a maior rede nacional de organizações que trabalham com futebol e desenvolvimento social. São 30 ONGs nas cinco regiões do Brasil, que se conectam regularmente para cooperar, compartilhar informações e buscar oportunidades para o trabalho em conjunto. A sfw Brasil desempenha o papel de secretaria-executiva. Durante o ano de 2013, fomos construindo em conjunto com os membros o modo de operação da CdA, com a definição da missão, da visão e dos valores, e a divisão da coordenação por região geográfica. Em 2014 e 2015, divididos em grupos de trabalho, os membros se dedicaram ao planejamento e à implementação de ações nas áreas de sustentabilidade, incidência política, captação de recursos, comunicação, gestão de conhecimento e governança. Encontros presenciais e virtuais foram facilitados, promovendo a troca de conhecimentos. A sfw Brasil foi     responsável por coordenar o processo de criação da identidade visual, do site e do folder institucional da CdA. Para mais informações, visite:

www.comunidadedeaprendizagem.fpd.org.br

Fundo Solidário

Criado em 2015 pela Comunidade de Aprendizagem de Futebol para o Desenvolvimento, o Fundo Solidário tem o objetivo de gerar condições próprias de suporte à continuidade das atividades do coletivo e promover sua sustentabilidade. A gestão do fundo é realizada pelo Conselho Gestor, um grupo que envolve três membros da CdA. O Conselho Financeiro, formado por outros três membros, é responsável pela   fiscalização da gestão do fundo. A sfw Brasil é administradora do fundo, encarregada da gestão executiva. O fundo está aberto a doações de pessoas físicas e jurídicas.

0
encontros
0
ONGs
0
regiões
0 mil
beneficiários e beneficiárias
0
contatos para envios de boletins informativos
Mais de 0
inserções nas mídias nacional e internacional

Por meio do futebol, trabalhamos:

Meio Ambiente

Mundo do Trabalho

Cultura da paz

Gênero

Saúde

Integração Social

Protagonismo Juvenil

Educação

Inclusão

Desenvolvimento Comunitário

“Aqui eu aprendi o conceito de igualdade de gênero. Somos todos iguais, mulheres e homens. Ninguém é diferente”

Felipe Santos, 16 | educando da Fundação Eprocad

I Festival Latino-americano de Futebol3

Todas as organizações da rede streetfootballworld na América Latina participaram do festival, realizado em Salvador (BA), em 2013, em parceria com o Instituto Fazer Acontecer (BA) e apoio do Ministério de Relações Exteriores da Alemanha. O tema do evento foi a promoção da igualdade de gênero, trabalhado não apenas durante os jogos, mas também em workshops. Um dos pontos altos do festival foi a cerimônia de abertura, realizada na Arena Fonte Nova, um dos palcos da Copa do Mundo de 2014.

  • 16 membros da rede
  • 120 participantes
  • 7 países

fórum global de jovens líderes

Reunimos no Rio de Janeiro (RJ), durante a Copa do Mundo de 2014, 35 jovens líderes, de 20 países, beneficiárias e beneficiários de projetos implementados por membros da rede streetfootballworld no mundo. Durante três dias, as participantes e os participantes puderam trocar experiências, reforçar os laços de cooperação e criar projetos de futebol para o desenvolvimento para serem implementados localmente. O fórum teve o apoio da Sony Mobile.

football for Hope

Em 2014 e 2015 apoiamos a Fifa na seleção e na avaliação das ONGs brasileiras para o edital FFH, no escopo do programa de responsabilidade social da federação. Além disso, contribuímos com a organização do Festival FFH, que reuniu jovens de 32 países, em 2014, no Rio de Janeiro (RJ), na comunidade do Caju, durante a Copa do Mundo.

II Encontro Brasileiro de Mediação em Esportes Educativos

Em maio de 2013 apoiamos o Instituto Formação na implementação do encontro, em São Luís (MA), por meio do apoio à participação de membros da Comunidade de Aprendizagem de Futebol para o Desenvolvimento e a facilitação e a apresentação em mesas redondas.

Programa Mulheres no Esporte

Igualdade e equidade de gênero são valores trabalhados pela sfw Brasil em alguns projetos, como o Espaço Futebol para a Igualdade, o Cartão Vermelho para a Violência Doméstica e o Tem Mulher na Jogada. Para nós, o esporte tem um grande potencial para incluir meninas e mulheres e trabalhar as questões de gênero não apenas com elas, mas também com meninos e com homens.

espaço futebol para a igualdade

Por 45 dias ocupamos o cenário onde Getúlio Vargas assinou em 1941 um decreto que impedia a prática do futebol feminino para justamente contar a história de meninas e de mulheres no futebol brasileiro. O espaço, montado no Museu da República, no Rio de Janeiro (RJ), na época da Copa do Mundo de 2014, foi inaugurado com a presença da madrinha da sfw Brasil, Marta Vieira da Silva. Realizado em parceria com a Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh), contou com a exposição multimídia “Mulheres em Campo Driblando Preconceitos” e vários painéis com fotos do mundo todo de como o futebol tem sido utilizado como uma importante ferramenta para o desenvolvimento. Além disso, duas mini-quadras foram montadas para a prática de futebol3. Debates, sessões de cinema, transmissão de jogos e diversos outros eventos movimentaram o espaço, como a cerimônia de celebração do jogador Dejan Petkovik como embaixador da sfw Brasil. As imprensas nacional e internacional publicaram mais de 400 reportagens sobre o espaço e as atividades realizadas. O projeto contou com o patrocínio da Caixa Econômica Federal, da GIZ, da Sony, da Fundação Ford e da Fundação The Haynes Connell e apoio do jornal Lance, da Secretaria de Políticas das Mulheres, do Museu da República, do Ministério da Cultura, da Fox Sports, da BusTV e da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro.

  • 37 organizações parceiras
  • 55.700 visitantes
  • 4.686 participantes
  • 23 palestras e debates

Cartão Vermelho para a Violência Doméstica

Realizamos duas capacitações, em 2014 e 2015, sobre o tema gênero e o enfrentamento da violência doméstica para 30 organizações-membro da Comunidade de Aprendizagem de Futebol para o Desenvolvimento. Os participantes foram responsáveis por multiplicar os conhecimentos em suas ONGs e fomentar a abordagem do tema em atividades que utilizam  o futebol. Paralelamente, criaram mini-projetos de visibilidade ao enfrentamento da violência doméstica, que foram realizados progressivamente e divulgados por meio de uma campanha no facebook durante os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres, em novembro e dezembro de 2014. A jogadora Marta foi a artilheira da causa. O projeto foi realizado por meio do apoio do Fundo Elas, com recursos da Avon.

tem mulher na jogada

A jogadora Marta, a nadadora Joanna Maranhão, a ginasta Daiane dos Santos e a paratleta Jhulia Karol são as madrinhas desse projeto. O objetivo é produzir um almanaque artístico-cultural de cunho educativo para dar visibilidade às mulheres brasileiras no esporte e, ao mesmo tempo, mostrar como atividades socioesportivas contribuem para o empoderamento feminino. Em 2015 começamos a pesquisa para o almanaque em parceria com a Redeh. A previsão de lançamento é em agosto de 2016.

Programa Inovar é preciso

Nossa organização foi criada por meio de um projeto inovador, ligado ao desenvolvimento e à disseminação da tecnologia social futebol3. De lá para cá, muitas pesquisas e ideias foram implementadas e, ao longo do tempo, ultrapassamos os limites das organizações sociais e adentramos também no campo corporativo, utilizando o futebol como uma ferramenta para o desenvolvimento organizacional e o engajamento de Recursos Humanos. Em nosso programa de inovação incluímos projetos como o de Gestão de Conhecimento, a tecnologia social Futebol para o Desenvolvimento e o Futebol para o Engajamento de Recursos Humanos.

Tecnologia Social Futebol para o Desenvolvimento

Em meados de 2015 começamos a coordenar o processo de revisão e formatação da tecnologia social Futebol para o Desenvolvimento, que consiste em uma base teórica alinhada a um currículo prático de utilização do futebol como meio para trabalhar com adolescentes e jovens os temas de saúde, gênero, sexualidade, meio ambiente, cultura, comunicação, mundo do trabalho, enfrentamento ao racismo e cultura de paz. Esse projeto foi apoiado pelo Ministério Federal de Cooperação Econômica e de Desenvolvimento da Alemanha, por meio da GIZ (Agência Alemã de Desenvolvimento), e será implementado até o final de 2016.

futebol para o engajamento de recursos humanos

O futebol tem um poder que pode ultrapassar o universo das ONGs e das escolas. É uma ferramenta muito poderosa até mesmo no ambiente corporativo. Dentro de uma empresa é possível utilizar o futebol como uma ferramenta para o engajamento de recursos humanos e trabalhar temas como cooperação, empatia, gênero, liderança, protagonismo, respeito às diferenças, dentre outros. Começamos a desenvolver e a testar essa metodologia no ano de 2015. Acreditamos que a nossa experiência acumulada também pode gerar impacto nas empresas. A prestação desse serviço irá entrar, a partir de 2016, no nosso portfólio de captação de recursos.

futebol3

A metodologia futebol3 consiste na utilização do esporte como ferramenta pedagógica e visa contribuir para o desenvolvimento social dos participantes. Consiste em uma maneira diferente de vivenciar uma partida de futebol, na qual participantes jogam em times mistos e não há árbitro e, sim, um mediador. O jogo é desenvolvido em três tempos: 1º tempo: acordos, 2º tempo: jogo, 3º tempo: avaliação.